17/07 Prefeitura recolhe cavalos abandonados nas ruas 17/07 Secretaria de Educação convida vereadores e apresenta balanço e projeções para 2018 17/07 Em dia de doação, Guaíba coleta 102 bolsas de sangue para Hemocentro 17/07 Prefeitura promove atividades especiais nas férias de julho 11/07 Secretaria de Assistência Social recebe capacitação para implantar a ID Jovem 11/07 Guaibenses aproveitam mais um fim de semana de atividades culturais 11/07 Alterações no trânsito em razão de obras da rotatória da Nestor de Moura Jardim 06/07 CAPS Álcool e Drogas tem capacidade de atendimento ampliada 04/07 Unidade móvel do Hemocentro estará em Guaíba na próxima terça-feira (4) 04/07 Saiba o que Guaíba ganha com o novo CT do Internacional 04/07 Posto da Primavera/São Jorge realiza dia extra de atendimentos 27/06 Prefeitura aprova projeto de CT do Internacional em Guaíba 27/06 Servidores e professores municipais iniciam curso de Libras 22/06 Prefeitura busca solução para evitar pontos de alagamentos 22/06 Clima de amizade marca abertura da 28ª edição dos Jogos Estudantis das Escolas Municipais 20/06 Prefeitura entrega mais de 300 itens para os Bombeiros 20/06 Prefeitura reduz fila de espera por exames de tomografia 20/06 Só Fumaça é o time campeão da Primeira Divisão de Futsal 08/06 Prefeitura de Guaíba antecipa parcela de 13º para servidores 08/06 28º Feira do Livro de Guaíba encerra com público total de 17 mil pessoas
ECB Sistemas Desenvolvimento Web
ECB Sistemas Desenvolvimento Web Publicidade
Notícias // 19/07/2011

Frio intenso pode sobrecarregar sistema elétrico no RS

Uma das maiores sequências de dias consecutivos com temperatura negativa no Rio Grande do Sul acaba de ocasionar um maior consumo de energia. Nos Estados da Região Sul, a carga de energia elétrica gerada pelo Sistema Interligado Nacional (SIN) aumentou no mês passado, de acordo com o mais recente Boletim de Carga Mensal do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A demanda na região cresceu 1,9% em relação ao mês anterior e 5,1% em comparação a junho de 2010.

Segundo Aldemir Spohr, fundador e diretor da APS Soluções em Energia S/A, empresa especializada em eficiência energética, este aumento pode ocasionar riscos de sobrecargas e danos aos equipamentos elétricos. "Com exceção de algumas cidades na Serra Gaúcha, a maioria delas não está preparada para enfrentar temperaturas abaixo de zero grau, por isso a demanda por energia elétrica aumenta por atender os sistemas de aquecimento, tanto residenciais quanto industriais, e pode provocar danos nos sistemas de distribuição", explica Spohr. "O correto seria gerar energia térmica, principalmente na indústria, através da queima da biomassa, Gás Natural (GN) ou Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), pois a energia elétrica, considerada a mais nobre, tem uma eficiência menor na transformação e um custo muito alto para gerar a mesma quantidade de calor", salienta o diretor da APS.

Na indústria, mesmo com o uso ainda intenso da energia elétrica, a utilização de energia elétrica para gerar energia térmica vem sendo substituída aos poucos por fontes alternativas mais econômicas. Spohr destaca do caso de uma indústria em que a energia elétrica tem custo de R$ 0,21 centavos por Kilowatt/hora, enquanto a gerada por biomossa chega a apenas R$ 0,02 centavos por Kilowatt/hora. Além do menor custo, o rendimento dos equipamentos para gerar a mesma quantidade de energia térmica atinge 79% com a biomassa e somente 27% com a elétrica. "O custo com a energia é um desafio para muitas empresas, por isso as alternativas devem ser avaliadas", comenta Spohr. Ele aponta ainda que o Gás Natural apresenta custo de R$ 0,12 centavos por Kilowatt/hora e o GLP de R$ 0,13 centavos por Kilowatt/hora.

Nas residências, Spohr afirma que o ar condicionado e os aquecedores a óleos ou a gás, muito comuns também em hotéis e pousadas na região da Serra Gaúcha, são mais econômicos em relação às estufas elétricas residenciais. Porém, como o frio intenso dura poucos dias, os consumidores preferem não investir em soluções mais complexas e com valor maior.

Sobre a APS:

A APS desenvolve soluções para reduzir o consumo de energia através de projetos de iluminação, ar condicionado, força motriz, ar comprimido, sistemas de aquecimento e a substituição de equipamentos que utilizem muita energia. Hoje chegam a 25 projetos em andamento no mercado, que englobam concessionárias e empresas privadas espalhados nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Sergipe.

 

URL Curta:
Comente esta notícia: